1193Shares

Pessoal, hoje temos o prazer de apresentar mais uma entrevista aqui no blog. Dessa vez vamos conhecer um cara que foge um pouco do que temos mostrado aqui. Apesar de já ter um trabalho que, pra muitos, é o trabalho “dos sonhos”, designer automotivo, ele ainda quer ir além. Muuuuito além. Será que o espaço é seu limite? Bom, naves ele já sabe construir. E bem!  Confira você nesta bacana entrevista com o artista Rodrigo Galdino:

1. Idade, onde mora, onde trabalha atualmente. É CLT ou Freela?
34 anos, moro em Sao Paulo, trabalho no Design Center da GM do Brasil. Lead Designer, contratado.

2. Qual sua formação e onde se formou?
Sou formado em Desenho Industrial – Design de Produto, pela UNESP de Bauru

3. Quando surgiu seu interesse por Concept Art e Concept Design? Foi antes de seu interesse por car design?
Sou designer de carro por acidente, eu digo sempre. Passei a vida respirando a arte e o design de Star Wars, desde muito criançaa . Fora as milhões de folhas A4 que preenchi desenhando naves de V- A Batalha Final, Buck Rogers, 2001, os Vipers do Galactica…e SW, claro.  Entrei na universidade com o intuito de desenhar naves. Trocava muita figurinha sobre SW com um professor de lá, o Dr. Placido, que hoje é um amigo muito querido. Quando eu comprei meu primeiro “The Art Of, por acaso Star Wars”, usado claro,  e vi que existia aquilo que sempre quis fazer na vida! Porém, passei num concurso da VW no ultimo ano de DI e estagiei um ano lá (não posso deixar de mencionar a figura do professor Olivio Barreira, um verdadeiro pai) .

Foi uma oportunidade na época, uma vez que era muito difícil conseguir uma vaga em montadora, e ainda é. Naquele tempo também era quase impossível enontrar um curso voltado a concept art dentro ou fora das universidades, principalmente no interior do estado de SP . A Internet estava começando apenas. Devo à industria automotiva o conhecimento das  ferramentas que uso hoje para meus concepts, além de todo o processo de design.

4. Existe uma impressão geral de que designers automotivos ganham muito bem. Você acha que o mercado de entretenimento poderia vir a ser sua renda principal? Harald Belker e Daniel Simon tomaram esse caminho. Você já pensou a respeito?

Pois é, rs…. as pessoas glamourizam demais o mundo do design de carro. Nao é bem assim. Bem que gostaria de ter um Porsche e viver numa casa igua a do Tony Stark ou a do Ewan MacGregor em ” A Ilha”. Mas é uma área muito legal sim, sem dúvida. E um caminho para, assim como disse anteriormente, se conhecer as ferramentas para se trabalhar com entretenimento. O Daniel Simon e Harald Belker (e Syd Mead!) certamente enxergaram isso. Tento sempre manter contato com o mundo da Concept Art.

Há algum tempo frequento workshops e conferências na California, onde conheci pessoalmente o mestre Syd Mead, Ryan Church (muitissimo gente fina!!), Feng Zhu, Mark Goerner e vários icones do Cinema e dos Games. A área automotiva é por onde alimento minha família hoje. Não importa onde eu esteja, eu dou o máximo de mim e quero sempre evoluir. TODOS temos sonhos e objetivos. Adoro o que faço, mas não escondo de ninguém a minha paixão por Concept Art.

5. Seus trabalhos se mostram muito bem resolvidos em termos de design. Acha que sua experiência no desenho para a indústria te ajuda na criação de seus concepts? Em caso positivo, onde percebe isso mais claramente? Considera isso uma vantagem na área de Entretenimento?

Sem Dúvida ! Os princípios da Bauhaus se aplicam bem nessa questão. Forma e função. Em Design é preciso entender as várias questões que envolvem o produto, como por exemplo mercado (concorrência), perfil do consumidor, linguagem visual da empresa, etc… e a engenharia empregada. É muito importante saber como funciona seu produto. É aí que eu começo meu trabalho de concept. Já nos primeiros sketches imagino o funcionamento.

Sempre tento criar algo que poderia se mover, voar, pousar, que possa dar credibilidade a quem esta vendo meu conceito, de uma forma criativa e inovadora. Você venderia melhor um concept de um tanque, por exemplo, se estudasse todo seu contexto : o funcionamento da esteira, do gun turret, das proteções laterais, ou estudando o histórico do veículo, onde e por quem era usado, ou seja, o “porque” das coisas. Há uma vantagem nisso, com certeza, mas já vi trabalhos muito bons de profissionais da área de entretenimento que nunca entraram numa industria na vida. Depende muito da sua curiosidade e capacidade criativa.

6 – Vi que você tem várias pranchas mostrando vistas com desenho técnico. Qual programa usa pra cria-los? Acha que poderiam ser realmente produzidos ou ainda precisariam modificações?

Nesses caras usei os patches do Photoshop. E sim, são factíveis porque tento detalhar ao máximo, mas sem perder muito tempo nisso. Por isso que decidi expor as vistas em alguns casos. Um modelador de Alias amigo meu já está modelando uma delas. Eu mesmo estou começando outra. Porém, durante o processo de modelação, sempre existem modificações, ou melhor, evoluções. O desenho técnico é uma referência para o Sculptor que o auxilia na criação dos primeiros volumes. Ajuda também a garantir a fidelidade ao sketch. É essencial que um artista/designer tenha plena noção em 3D do seu sketch ou ilustração e mostre isso no portfolio. Também acho muito importante o designer colocar as secções no sketch. O Sculptor agradece!!

7. Conte um pouco sobre as páginas de HQ que postou no seu blog. O que é esse projeto?

Putz, que experiência bacana.  Isso fez parte das aulas de quadrinhos que tive na Quanta Academia de Artes em SP (a qual recomendo muito!!), ano passado. Escolhi o tema Star Wars por motivos óbvios e usando a minha técnica como arte, explorando criação de personagem, veículos, cenários, composição, narrativa, tudo em um só trabalho. Tinha a intenção de publicar no meu blog pra ver a reação da galera e me surpreendi com os comentários.

Fiquei muito feliz porque ouvi elogios também nas aulas do Greg Tocchini,( sim, ele mesmo!) meu professor. Aliás, tive o prazer de conhecer esse cara e aprender com um dos artistas mais FODASTICOS que ja vi na minha vida. Valeu Greg e Marcelo Campos!!! Ah, me cobram ate hoje para eu terminar a história. E tenho outras em mente.

8. Você conhece pessoalmente outros designers automotivos que estão enveredando para a Concept Art também?

Trabalho com designers muito talentosos e criativos. São foda na verdade!!!  Nao têm um envolvimento intenso com concept art como eu, mas muitas vezes, em meio a muitos carros voce vê um sketchinho de personagem aqui, carros muuuito loucos ali, motos “do milhão”, naves…Cito aqui Arthur Martins e Pedro Guarinon…Malditos!! Helio Queiroz…. Le Trovati….Se querem se enveredar não sei, mas fazem vc querer cortar-lhes os dedos da mão!!!! Sem contar o Steven (Niklaus), que esculpe figuras insanas e maravilhosas e constrói panzers em escala, quase reais.

Rodrigo, pra finalizar, você tem alguma sugestão para o blog ou algum conteúdo que gostaria de ver aqui?

Bom, este blog , em tempo curtíssimo tomou proporções globais.  (OK, ele exagerou um pouco… rs ) Acredito que se tivesse a versão de texto em inglês, essa proporção seria bem maior e os bons contatos cresceriam. Do resto, tenho hj o THECAB como uma das minhas principais referências e visitas diárias aqui são uma regra!!!! Excelente trabalho. Vejo este site como o maior incentivador dos artistas brasileiros que gostariam de seguir carreira na área de entretenimento hj em dia. Também acredito que pode ser uma porta para estúdios de fora perceberem o potencial do mercado brasileiro e abrirem studios de criacão por aqui. E que venham!!

Fazemos nossas suas palavras, Rodrigo, e que venham!!!  Os artistas que acessam o THECAB agradecem!  : )  Valeu pela entrevista e muito sucesso cara!

Para conhecer mais do trabalho do Rodrigo Galdino, acesse o blog do artista

OUTROS POSTS QUE PODEM SER DE SEU INTERESSE:

1193Shares